PUBG mobile estaria roubando skins de CS:GO

Reportagem de site aponta semelhanças de produtos para ambos os jogos

O site win.gg apurou que as comunidades de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) e PUBG Mobile nutrem uma rusga nas redes sociais por supostos plágios de skins do battle royale para celulares. As semelhanças existem, mas enquanto uns argumentam que pode ser coincidência, outros enxergam malícia.

O texto aponta, de cara, que “os fãs de CS:GO não estão felizes com a nova skin de metralhadora lançada para PUBG Mobile”.

Os desenvolvedores do battle royale introduziram recentemente uma roupagem de M16A4 chamada Psycho Savage (Selvagem psicopata, em tradução livre), quase uma cópia exata da AK47 de CS na versão Neon Revolution. A única diferença notável são as listras brancas adicionadas na arma do jogo mobile. Todo o resto é similar (veja abaixo).

Semelhanças levantam a polêmica (Reprodução/win;gg)

O lançamento dessa skin para PUBG Mobile fez a comunidade online do FPS da Valve levantar que o aparente plágio não é novidade. No fórum virtual Reddit, alguns fãs apontaram outras semelhanças, incluindo a AWM Field Commander ser uma reprodução da skin Phobos para AWP. Outra coincidência foi a skin Phantom, para o rifle QBZ95, ser parecida com a Neo Noir, da M4A4.

Os fãs de PUBG têm argumentado nos fóruns que as similaridades podem ser apenas coincidência. A skin Neon Revolution, por exemplo, foi lançada pela Valve há cinco anos e, nesse tempo, desenvolvedores podem acabar chegando a designs parecidos.

Obviamente, o séquito do CS não arreda o pé e foi ainda mais longe: acusou o PUBG Mobile de roubar skins também de um battle royale menos conhecido chamado Rules of Survival, da NetEase Games. Até Grand Theft Auto entrou no bolo, já que a roupagem Ashes, para a AKM, teria sido “inspirada” em mods do jogo da Rockstar.

Battle royale da NetEase também teria tido produtos copiados (Reprodução)

Copiar skins é crime?

O texto da win.gg aponta que skins em armas para jogos são consideradas projetos originais de arte e, geralmente, esse tipo de trabalho está protegido por copyright. Na prática, isso significaria que para o PUBG usar roupagens tão parecidas teria de pedir permissão à Valve.

Mas e as listras brancas que diferenciam uma arma da outra? E aquela gradação distinta de cor? Alguns adeptos do battle royale mobile apontaram que as pequenas diferenças evitariam processos por quebra de direito autoral, mas não é bem assim.

De acordo com o Artquest London, uma associação para artistas profissionais, uma arte derivada de outro trabalho que compartilha algumas semelhanças pode representar violação do copyright. Então as mudanças mínimas nas skins de PUBG não seriam suficientes para um juíz descartar o processo de cara e provavelmente resultaria em uma longa batalha em tribunais.

Comunidade do CS aponta semelhanças (Reprodução/win.gg)

A própria Valve já sofreu com isso em 2014, quando recebeu uma notificação de quebra de copyright por conta da M4A4 Howl e o sticker Howling Dawn. Na época, a plataforma que distribui o CS:GO, Steam, lançou uma oficina de itens para artistas compartilharem suas criações e algumas foram apontadas como plágio.

A Steam não exige aprovação da Valve para as artes circularem, mas obriga os contribuidores a assinarem um documento alegando que não copiaram aquele trabalho, portanto a questão não deu tanto problema depois de desvendada. Apesar de ser uma situação distinta às acusações da comunidade de CS:GO contra o battle royale, mostra que existe, sim, proteção por direitos autorais para skins.

Concluindo, segundo a reportagen da win.gg, o PUBG Mobile pode ser processado por quebra de copyright. “A Valve vai processar? Provavelmente não”, termina o texto.

FONTE: win.gg