PewDiePie: como o maior streamer do mundo ganha dinheiro

Youtuber criou linha de roupas, bonecos e fez parcerias com refrigerantes e até filmes

O sueco Felix “PewDiePie” Kjellberg, 31 anos, é um dos criadores de conteúdo com mais inscritos do Youtube. Com sua enorme base de seguidores, ele abriu diversos caminhos para monetização e, acreditem, ele sabe bem como fazer dinheiro.

O Dexerto.com destrinchou a trajetória do influenciador digital e enumerou os negócios que mais elevaram o preço da marca PewDiePie, iniciada por ele em 2010, ainda de forma semi-amadora, e catapultada ao estrelato desde então. Veja:

Quanto vale a rede PewDiePie?

A rede e a marca PewDiePie são valiosas e as receitas geradas provém de uma variedade de negócios, que vão de marcas de roupas a jogos criados por ele mesmo. A rede do influenciador tem seu valor estimado e calculado com base em médias da indústria e valores consolidados de publicações passadas.

Especula-se que ele tenha faturado US$ 16,6 milhões em 2018 (R$ 64 milhões, na cotação da época) e US$ 13 milhões em 2019 (R$ 52 milhões). Um estudo divulgado pela revista norte-americana PR Week afirma que ele ganha cerca de US$ 8 milhões (R$ 45 milhões, na cotação atual) por mês, a maior parte com comercialização de produtos e o restante em publicidade.

Portanto, estima-se que a rede de PewDiePie valha algo em torno de US$ 40 milhões (R$ 219 milhões), embora outros estudos sugiram que seja de até US$ 70 milhões (R$ 384,4 milhões).

PewDiePie alcançou vários recordes no Youtube (Foto: Divulgação)

Como PewDiePie ganha dinheiro?

O Youtube remunera seus produtores de conteúdo com base no custo por mil impressões (CPM), que varia entre US$ 0,25 e US$ 4,50 nos EUA a cada 1 mil visualizações de um vídeo. No Brasil, o valor varia entre R$ 1 e R$ 19.

O Google retém 45% dessa receita, portanto para youtubers menores isso significa uma enorme dificuldade de se sustentar apenas com base nesses ganhos. Para gigantes como PewDiePie, porém, significa algumas centenas de milhares de dólares por mês apenas por essa métrica.

Além disso, o sueco ainda oferece três pacotes de assinatura ao seu canal, com preços entre US$ 1,99 dólar e US$ 6,99 mensais. As inscrições permitem aos usuários acessar conteúdos exclusivos como emojis e salas privadas no Discord.

Lives de PewDiePie sempre agrupam muitas pessoas (Foto: Reprodução)

A receita que o influencer obtém com essa modalidade costuma render um bom dinheiro também. Em janeiro de 2021, por exemplo, ele destinou mais de US$ 133 mil (R$ 730 mil) obtidos dessa forma para doar à organização de caridade Blue Cross Foundation.

PewDiePie também assinou contratos de exclusividade com o Youtube em maio de 2020, o que certamente lhe rende generosas cifras fixas a cada mês. Antes disso, ele era contratado do site DLive.

A quantia exata dos dois acordos nunca foi revelada, mas é difícil imaginar que qualquer uma das plataformas feche negócio com um influenciador desse tamanho por menos de seis dígitos mensais.

Parcerias comercias de PewDiePie

Por ser uma figura muito popular virtualmente, o youtuber sueco também atraiu parcerias comerciais com grandes marcas para estrelar campanhas publicitárias ou promover produtos em suas transmissões.

Marcas como a de refrigerante Mountain Dew e até a produtora de cinema Legendary Picturas, responsável por grandes blockbusters como Interestellar (2014) e Godzilla (2015), já fecharam negócios com o influencer.

PewDiePe já estaria milionário só por esses caminhos, mas não para por aí. O sueco tem uma linha própria de produtos de vestuário chamada Represent e uma linha unissex de roupas chamada Tsuki, que ele administra ao lado da esposa, Marzia Kjellberg. Não bastasse os dois negócios, ele decidiu abrir um segmento de roupas chamado Based.gg, voltado para gamers.

De youtuber a empresário e marca

PewDiePie deixou de ser apenas um criador de conteúdo e superou também o status de empresário. Virou verdadeiramente uma marca. Ele possui uma coleção própria de suplementos alimentares da G FUEL, uma colaboração com a empresa Vidglo para uma linha exclusiva de bonecos colecionáveis, bem como uma coleção de capas para celulares em parceria com a RhinoShield.

(Foto: Divulgação)

Em 2015, o youtuber ainda lançou um livro próprio, que parodia obras de auto-ajuda e, mesmo com análises pouco entusiasmadas dos usuários, se tornou um best-seller do New York Times com 112 mil cópias vendidas até janeiro de 2017.

PewDiePie também expandiu seu império de influência e lançou os próprios jogos temáticos. Em 2015, PewDiePie: Legend of the Brofist, para iOS e Android, foi o primeiro, seguido por Tuber Simulator, Pixelings, Poopdie e Animal Super Squad. Apesar de alguns jogos serem pagos, a maioria gera ainda mais receita por adotar os sistemas de microtransações.

Como ficou claro, PewDiePie se tornou muito mais do que apenas um influenciador e transformou seu sucesso no Youtube em um negócio de milhões de dólares. Ele quebrou a barreira da plataforma que o projetou e, certamente, caso parasse de transmitir ou de fazer vídeos, ainda poderia viver confortavelmente.

(Foto: Reprodução)