Pelo menos um dos BRs no NA não deve ir à Romênia

GODSENT, paiN e Team oNe disputam vagas para tentar acesso ao Major mas correm riscos

As duas seletivas abertas para o RMR da América do Norte (NA) acontecem entre esta quinta-feira (10/03/2022) e o próximo domingo (13/03/2022) com três brasileiros na disputa: GODSENT, paiN Gaming e Team oNe.

São sete vagas para se juntar à FURIA no RMR das Américas e disputar o classificatório fechado que define seis representantes do continente para o próxilo PGL Major da Antuérpia, na Bélgica. Oito equipes da América do Sul já estão confirmadas.

Teoricamente, os três brazucas são favoritos ao lado de Team Liquid, Evil Geniuses e Complexity, mas é provável que um deles fique de fora.

O cenário do NA

O fragilizado cenário de CS:GO do NA sobrevive por aparelhos desde 2020, quando, além da pandemia global que afetou a economia de muitos times, surgiu o Valorant para provocar uma debandada de players, espectadores, casters e, principalmente, empresas para o FPS da Riot Games.

Orgs de peso da América do Norte, como 100 Thieves, NRG e Luminosity apostaram no Valorant e sequer cogitam reintegrar o cenário de CS, para citar as mais famosas.

Assim, houve a ascensão de equipes intermediárias, como a já extinta Chaos, a Triumph e a Extra Salt, e o fortalecimento dos times sem org, principalmente a Bad News Bears, que até Pro League disputou em 2021, e, mais recentemente, a Party Astronauts. E é justamente aí que mora o perigo para os brasileiros ansiosos por tentar ir ou retornar ao Major.

No último domingo, a Team oNe foi eliminada nas semifinais do Fragadelphia 16 pelos ilustres desconhecidos da Strife. Nessa terça-feira (08/03/2022), a paiN foi superada pelo promissor porém inexperiente time da ATK na Challenger League da ESL.

Nos playoffs do mesmo torneio em dezembro de 2021, a paiN já havia ficado de fora da final ao perder para outro time sem org, a ChocoCheck, atual Gaimin Gladiators.

Esse histórico recente liga o alerta, principalmente porque ainda existem outras ameaças. Recém-desiludido com o Valorant, o in-game Leader (IGL) Damian “daps”, ex-Cloud9 e Gen.G, montou a Orgless para tentar uma vaga no Major.

A line da antiga RBG, que ao ser desligada da org adotou o nome de Carpe Diem, vinha em uma crescente no fim de 2021, tendo inclusive disputado a ESL Conference League na Europa ao lado da GODSENT, e é outro forte time sem uma casa para chamar de sua.

Md1 são cruéis

Soma-se a isso o fato de tanto paiN quanto Team oNe terem perdido seus principais jogadores na virada do ano, Rafael “saffee” e Mario “malbsMd”, respectivamente. Ambos buscam o ajuste ideal para recuperar a potência do ano passado.

Em tese, a GODSENT, com resultados consistentes em 2021, é candidata a não passar sustos. No entanto, do mesmo jeito que Epitácio “TACO” e cia surpreendem para o bem, surpreendem para o mal. Não foi uma nem duas vezes que os brasileiros complicaram séries supostamente tranquilas (Alguém lembra das epopéias contra Wisla e Sprout?).

GODSENT é favorita, mas isso não garante nada (Foto: Divulgação)

Ainda existe o fator quase místico de que, em classificatórios abertos onde a maioria das partidas são disputadas em um único mapa, tudo pode acontecer.

Na Europa, a BIG precisou do quarto dia de qualificatória para ir ao RMR da região. Mesma situação da Fnatic. Os espanhóis da Movistar Riders, que estiveram no último Major, não conseguiram nenhuma das 12 vagas mesmo após quatro tentativas.

Apesar dos pesares, os brasileiros têm plenas condições de carimbar três das sete vagas para o RMR das Américas. Cinco times BR e três argentinos já asseguraram presença no torneio qualificatório a ser jogado na Romênia, em maio, e existem todas as razões do mundo para paiN, GODSENT e oNe ajudarem a pintar Bucareste ainda mais de verde amarelo.

Se o tropeço de uma ou até duas delas acontecer, porém, não deve vir como grande surpresa ao torcedor. Seria uma sinal da necessidade de melhora, mas dentro do que se espera em razão dos resultados recentes. Nenhum dos três se classificar, porém, seria sim uma tragédia impensável.