Organizações que deixaram o CS:GO

Em meio a problemas financeiros ou resultados ruins, diversos times largaram o FPS recentemente

Pelo menos sete grandes organizações que atuavam com destaque no CS:GO deixaram o cenário competitivo desde o início de 2019. Algumas prometeram se tratar apenas de um hiato, enquanto outras não demonstraram qualquer intenção de retornar.

As alegações para as saídas são variadas, mas problemas financeiros aliados a desempenhos frustrantes dos atletas costumam ser a receita do fim. Abaixo, uma lista com as principais saídas desde o último ano.

eUnited

Super patriótico, o time norte-americano nunca decolou (Foto: Reprodução)

Perda mais recente do cenário – o anúncio de desligamento do time de CS:GO aconteceu no começo de março de 2020 -, a org apostava em um time com promessas que nunca decolaram. As poucas apresentações em LAN em 2019 e as performances insuficientes em momentos decisivos encaminharam o processo de separação.

Após perderem, na estreia do Closed Qualifier NA para o Minor das Américas, para o mix da Ze Pug Godz, veio o aviso da ruptura, encerrando uma história iniciada em 2016 e que teve o auge em novembro de 2018, com a entrada no top 30 da HLTV.org.

Grayhound

Org australiana dominou o cenário local por dois anos (Foto: Reprodução)

Após marcar participação nos dois Majors de 2019 e acumular campanhas relevantes em torneios grandes, os australianos tiveram a line comprada pela Renegades em dezembro de 2019. Os Cães de Caça ingressaramno CS:GO em junho de 2017 ao adquirir a equipe da ex-Immunity e haviam se estabelecido como segunda força da Oceania desde então. Não houve anúncio de retorno.

NRG

Prestes a conquistar o top, NRG teve história interrompida (Foto: Reprodução)

O anúncio da venda da sua promissora equipe para a Evil Geniuses, em setembro de 2019, foi um grande choque. Eles haviam acabado de atingir o top 3 do mundo no ranking da HLTV.org após alcançarem as semifinais do Starladder Berlin Major e vinham muito bem. Tanto é que na mesma semana da transferência de org, o time foi campeão do ESL One New York e atingiu o 1º lugar do ranking alguns dias depois.

Em entrevista ao portal Dexerto, o CEO da NRG, Andy Miller, também ex-vice-presidente da Apple e co-proprietário do Sacramento Kings, reclamou dos custos excessivos e falta de estrutura adequada para operar no CS:GO.

Time teve bons resultados logo antes de mudar de org (Divulgação/DreamHack)

Luminosity

LG viveu seus melhores momentos com brasileiros e também seus piores (Foto: Reprodução)

Setembro de 2019 foi um mês de cisões no CS:GO. A Luminosity Gaming, outra tag famosa, especialmente por ter abrigado Gabriel “FalleN” e cia durante a conquista do primeiro Major para o Brasil, em 2016, dispensou seu time no fim do mês. A equipe era formada apenas por brasileiros, incluindo nomes conhecidos como João “felps”, e foi desligada após uma série de resultados ruins. Não há pistas para um retorno desde então.

A LG operava desde 2015 no CS:GO e foi a primeira org estrangeira a apostar em um time inteiramente brasileiro na ocasião. Com os troféus conquistados por Fallen, Fernando “fer”, Marcelo “coldzera”, Lincoln “fnx” e Epitácio “TACO”, outras empresas, como Tempo Storm, Immortals e SK Gaming, passaram a apostar nos brazucas.

Vega Squadron

Equipe jogou três majors seguidos (Arte/Vega Squadron)

Deixou de existir em agosto de 2019 após falhar na classificação para a BLAST Pro Series Moscow e acumular uma participação frustrada no Major de Katowice. Figurinha carimbada em qualificatórios e torneios importantes do CIS, a org participou de três Majors entre 2017 e 2018 e iniciou as atividades no FPS no começo de 2015.

Lazarus

Foi bom (nem tanto) enquanto durou (Foto: Reprodução/Youtube)

A org apostou na line da Swole Patrol em abril de 2019 para ingressar no CS:GO, mesmo sabendo das restrições de sua estrela, Braxton “swag”, em participar de competições da Valve por ele ter sido banido. Em agosto do mesmo ano, após a equipe ter sido excluída do Minor das Américas justamente pela impossibilidade de jogar com swag, a Lazarus dispensou a line. Uma passagem curta e pouco memorável.

Ghost Gaming

Trocadilhos à parte, atualmente a org é apenas um fantasma do cenário de CS:GO (Foto: Reprodução)

A org norte-americana agregou nomes importantes do CS:GO, como o brasileiro Caio “zqk” e o awper Mathew “Wardell”, em sua curta história no game. Operou do começo de 2017 até junho de 2019, tendo alcançado, como melhores resultados, as semifinais da ZOTAC Cup de 2018 e da iBUYPOWER Masters 2019.

Leave a comment