Organizações que deixaram o CS:GO (parte 2)

Fusões, rebrandings e apostas frustradas em novos talentos marcaram fim de nomes conhecidos

O cenário competitivo de CS:GO é um moedor de organizações, independentemente das conquistas e poderio financeiro delas. Na parte 1 dessa lista, mostramos que marcas renomadas e endinheiradas, como Luminosity e NRG, desistiram do FPS da Valve por falta de perspectivas de crescimento e sustentabilidade a longo prazo. Confira outras que abandonaram o barco recentemente, com direito a finalista do último Major!

AVANGAR

Nem finalista de Major escapa do sumiço (Foto: Reprodução)

Não foi pegadinha quando, em 1º de abril de 2020, a cazaque AVANGAR anunciou o fim de suas operações no CS:GO após quase três anos integrando o cenário competitivo. Sete meses antes, a org subia ao palco principal do StarLadder Major de 2019, em Berlim (ALE), para disputar sua primeira e única final de Major. Foi o ápice para a equipe comandada pelo AWPer Dzhami  “Jame” e também o último canto do cisne.

Em dezembro de 2019, a org finalista da principal competição da temporada do CS vendeu seu time para a Virtus.pro e tentou se reerguer com uma nova line formada por jogadores tidos como promessas no Cazaquistão. A evolução não aconteceu rapidamente e a pandemia do novo coronavírus e a crise econômica global trazida com ela ajudaram a org a encerrar as atividades em abril de 2020.

OpTic Gaming

Apesar das boas lines, org foi incorporada pela Immortals, que priorizou a MIBR (Foto: Reprodução)

A OpTic é uma org criada nos idos de 2006 e que operou no CS:GO a partir de 2016. Conhecida também por sua presença em outros Esports, a exemplo de DoTA 2 e League of Legends, a marca foi, por muito tempo, sinônimo de times encardidos de se enfrentar e por dar projeção a vários nomes importantes da cena norte-americana. Dois exemplos são os canadenses Peter “stanislaw”, atualmente na Evil Geniuses, e Keith “NAF”, da Team Liquid.

Em junho de 2019, quando operava com uma line europeia composta de bons nomes, como os AWPers Mathias “MSL”, hoje na North, e Kristian “k0nfig”, da Complexity Gaming, a marca foi vendida ao Immortals Gaming Club. Como a empresa também administra a MIBR, o grupo decidiu encerrar as atividades da OpTic e priorizar os brasileiros, encerrando mais um capítulo da história do CS:GO.

Team Reapers

Logo da Reapers (à esquerda) justificava a alcunha de Ceifeiros (Foto: Reprodução/Twitter)

A crise econômica global causada pelo combate ao novo coronavírus cobrou seu preço de várias empresas e, segundo comunicado da própria organização, em junho de 2020 a Reapers foi mais uma vítima. A equipe operava desde o fim de 2018 no CS:GO sempre com times bem competitivos e dois títulos revelantes: da Up Expo Game de Goiânia, em maio de 2019, sobre a RED Canids, e da Liga Profissional da GamersClub de Junho, também em 2019, sobre a W7M.

Jogadores como Matheus “brutt”, falecido precocemente aos 19 anos no fim de 2019, João “horvy” e Maxcel “maxcel” tiveram boas passagens pelo time, que quando acabou teve parte de seus jogadores absorvidos pela Evidence e-Sports.

DreamEaters

Problemas financeiros e trabalhistas marcaram o fim da DE ( (Foto: Reprodução)

Surpresa da CIS no último Major, em Berlim, a DreamEaters enfrentou graves problemas financeiros após a competição, realizada em agosto de 2019, e o próprio presidente da org russa, Anton Vinogradov, admitiu ter atrasado salários. No principal camp da temporada, a desconhecida equipe conseguiu vencer a NRG, atual Evil Geniuses, e a Team Vitality para alcançar o stage principal.

Em 7 de outubro de 2019, os jogadores se desvincularam da marca depois de fazerem um acordo para coletarem todo o dinheiro recebido pela venda de stickers durante o Major e abdicarem do dinheiro recebido por participação em outros torneios. O clima foi tão ruim que um dos atletas, Svyatoslav “⁠svyat⁠”, alegou à HLTV.org “não querer ter nada a ver com a organização”. Pouco depois da cisão, os jogadores assinaram com a Hard Legion Esports enquanto a DreamEater contratou a obscura line da Warthox. A org russa até manteve as atividades por algum tempo, mas em 8 de maio de 2020 decidiu encerrar as operações no CS:GO sem muita cerimônia.

Bad News Bears/ Riot Squad

Era a logo mais divertida do cenário norte-americano, pelo menos (Foto: Reprodução)

A BNB foi um mix de jogadores sem time que nasceu como Test Takers em agosto de 2018, após a org RESOLUTE encerrar suas atividades. Jogadores como Sam “s0m”, atualmente na Gen.G, e Victor “food”, ex-eUnited e hoje em dia profissional de Valorant, passaram pela equipe, que teve várias idas e vindas até se estabilizar com a contratação do time pela Riot Squad Esports, em junho de 2019.

O vínculo durou apenas até 12 de fevereiro, pouco depois do melhor resultado do grupo até então: uma segunda colocação no Global Challenge da ESEA Season 32, primeiro torneio internacional que disputaram. Novamente sem org, a Bad News Bears voltou a existir até maio de 2020, quando alguns jogadores foram contratados por outras orgs, outros se aposentaram e um foi tentar a sorte no Valorant.