Existe vida fora do circuito competitivo

Os Esports chamam muita atenção, mas os casuais ainda compõem boa parte do mercado

A lista de jogos mais vendidos da Steam em 2019 revela que, apesar do crescimento dos esportes eletrônicos, o grosso das receitas vem dos títulos com multiplayer e single player fortes, independentemente das competições oficiais. Entre os 12 jogos de mais sucesso, de acordo com o faturamento bruto do último ano, oito são voltados aos jogadores casuais.

Destacam-se na lista de não-competitivos – se é que se pode chamar assim – GTA V, The Elder Scrolls, Destiny 2, Total War: Three Kingdoms, Monster Hunter World, Warframe Empyrean, Civilization VI e Sekiro.

Sekiro foi um dos grandes nomes da indústria em 2019 (Reprodução)

Playerunknown Battlegrounds (PUBG), Rainbow Six, DoTA 2 e Counter- Strike: Global Ofensive, todos com torneios oficiais bem estruturados, já são figurinhas carimbadas na comunidade e completam a lista dos mais procurados pelos players na Steam.

O recado para indústria de jogos é claro: nem tudo é possível transformar em esports e nem tudo precisa. E é uma ótima notícia. Afinal, para a maioria das pessoas, o objetivo é entrar no jogo e se distrair um pouco.

Para os desenvolvedores, também é possível continuar explorando e investindo na experiência individual da pessoa, seja por meio de microtransações ou aditivos. Assim, o mercado se alimenta com pelo menos duas linhas de receita: os patrocinadores e a venda de títulos. E continua tendo pra todos os gostos.